Primeiro bimestre tem crescimento no consórcio de imóveis

Publicado em: 14/04/2020


A ABAC (Associação Brasileiras da Administradoras de Consórcio) divulgou os resultados do primeiro bimestre de 2020, ainda sem as recentes medidas governamentais anunciadas pelo governo visando atender as necessidades da economia brasileira em razão da pandemia do COVID-19. Os números mostraram crescimento em todos os setores do sistema de consórcios.

Janeiro e fevereiro registraram crescimento na modalidade, mas com a desaceleração das atividades econômicas, os indicadores deverão ser impactados acompanhando as tendências nacionais. Porém, de acordo com a ABAC, as mudanças de comportamento, impostas pela pandemia, que obrigam trabalhadores e empresas a transferirem suas atividades para casa, em home office, gera expectativas promissoras de novas formas de fazer negócios.

"Ao acreditar em boas perspectivas, esperamos contribuir para o equilíbrio dos negócios do Sistema de Consórcios e da cadeia produtiva, possibilitando, assim, contribuir para que o consumidor realize seus objetivos pessoais, profissionais e empresariais", explica Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da ABAC.

Consórcio de Imóveis

Dentro das expectativas previstas para 2020, avanços de 10% a 14%, o consórcio de imóveis foi além e registrou 46,4% de aumento nas adesões e anotou 50,7% de alta nos correspondentes créditos comercializados, nos dois primeiros meses deste ano versus o mesmo bimestre de 2019.

Em janeiro e fevereiro, 564 consorciados-trabalhadores, participantes dos grupos de consórcios de imóveis, utilizaram parcial ou totalmente seus saldos nas contas do FGTS para pagar parcelas ou quitar débitos, bem como ofertar valores em lances ou complementar créditos, somando pouco mais de R$ 26,90 milhões, segundo o Gepas/Caixa.


Veja mais notícias