Mercado Nacional de Consórcios bate recorde

Publicado em: 16/03/2010

O Mercado Nacional de Consórcios estabeleceu a melhor marca da história, com 1,98 milhão de cotas contratadas em 2009. O resultado representa aumento de 10,9% no número de adesões sobre o ano anterior, quando o registro foi de 1,78 milhão. As perspectivas para 2010 são ainda melhores.

Os dados foram apresentados pela Abac (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios). De acordo com o presidente-executivo da entidade, Paulo Roberto Rossi, o volume de cotas superou as expectativas da assessoria econômica da Abac, que previa crescimento de 6% e as expectativas são ainda maiores para 2010.

O setor é representado por 280 empresas administradoras e gera, aproximadamente, 50 mil empregos no País. De acordo com o vice-presidente da Abac, Fabiano Lopes Ferreira, "não temos números exatos, mas percebemos grandes expansão no interior dos Estados". Em janeiro, um administradora de consórcio informou que o segmento imobiliário cresceu 36% em 2009, na região, ante o ano anterior.

Com o avanço das novas cotas, o número de participantes ativos nos consórcios subiu 4,7% no ano passado, com 3,8 milhões de pessoas, contra 2008, cujo registro foi de 3,63 milhões. Assim, os ativos administrados, ou recursos acumulados de todas as parcelas pagas pelos participantes ativos, chegaram a R$ 79 bilhões. O resultado representa alta de 12,8% sobre 2008.

COMO FUNCIONA - O interessado pode escolher entre quatro modalidades de consórcios: para imóveis, eletroeletrônicos e bens-duráveis, veículos automotores e serviços.

Escolhida a modalidade, o consorciado estipula o valor do prêmio e paga parcelas mensais para liquidar a dívida, nas quais são incluídas apenas a taxa de administração, cuja média nacional é de 16%. O prêmio é entregue para os sorteados no mês, ou mediante aos maiores lances para quitar parte da dívida. No caso dos sorteados, ou vencedores dos lances, é possível injetar o recurso no objetivo, ou poupar o dinheiro junto à administradora sobre rendimento da Selic (hoje, 8,75% ao ano).



Veja mais notícias